Meu quintal...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Preciso de respostas.

A liberdade de expressão deve ser assegurada. Então, é legítima a Marcha da Maconha. Fico pensando sobre a relevância deste movimento, ou se liberar o comércio e uso da marijuana seria a melhor saída. Analiso, então, as justificativas. Acabar com tráfico não seria pois ainda teria a cocaína, o crack e as mais recentes novidades. Por ser menos prejudicial à saúde que o cigarro? Já ouvi muitos jóvens dizerem isto, mas a medicina não confirma. E nem as famílias que precisam conviver com a ressaca do usuário (maconheiro seria pejorativo?), que o deixa intolerante, desleixado, esquecido e agressivo. Pensando nisto, será que quem está organizando o movimento é a Nestlé? Seria um fomento à indústria de doces? Afinal, teríamos uma "larica" geral. Ou o uso seria liberado somente para tratamento médico? Sendo assim, seria vendido na farmácia mediante receita médica e o Estado faria o controle de qualidade do produto, coisa que não consegue fazer nem com os antibióticos, muitas vezes produzidos com dosagem menor do que a exposta na embalagem. Não, isto seria muito honeroso aos cofres públicos. Ou seria vendido como erva medicinal nas praças pelos "jujeiros" (expressão da fronteira vinda do espanhol: jujo, ou chá)? As "tias" que gostam da medicina caseira chapadas!  Ou estaria disponível nas lanchonetes já enrolados, ou apertados, e embalados industrialmente, o que elevaria o preço consideravelmente e geraria uma nova Marcha contra os preços abusivos da maconha. Plantar ou importar? É, preciso de respostas. Uma certeza eu tenho: a sociedade precisa de jovens marchando sim, mas por professores competentes, maior investimento na pesquisa científica, estágios bem remunerados, contra a corrupção,...

4 comentários:

Vanoska Buchholz da Costa disse...

OI VERA,
ADOREI VER O MEU LINK
NO TEU BLOG, OBRIGADA.
ABRAÇO

César disse...

Olá.
Eu penso o seguinte, sobre isso: Se um diabético poder vir a morrer se consumir produtos (legalizados) que contém açúcar, devemos proibir o uso de açúcar?
Não, eu penso. Liberdade para ser e consumir o que quiser. Se com essa liberdade, a pessoa não prejudicar o outro, tudo certo.

Agora, quanto a ir ao inferno, veja que existe uma diferença. Todos (é provável) gostam de ter comentários em seus blogs. E eu não sou exceção. Mas a minha questão infernal diz respeito aos 3 textos que pedem uma resposta de quem lê. Nunca e em momento algum pedi a quem quer que fosse que fizesse comentários em meu blog. Mas para textos que exijam respostas eu exijo que quem ler, responda.

Abraço.

Vera Mosmann disse...

Olá Cesar!
Teu comentário sobre a liberdade de ser e consumir, desde que não prejudiquemos o outro me fez pensar. E outro questionamento surge: o efeito da maconha altera o comportamento. Sendo assim, no trânsito, no trabalho, na convivência familiar, poderá prejudicar o outro. Ou não?
Obrigada por me incentivar a pensar.
Abraço.

Vera Mosmann disse...

Olá Vanoska!
Quando eu aprender a mexer aqui e achar um jeito de postar comentários em teu Blog, poderei dizer: Bendito caderninho! Bom que queiras compartilhar tuas sensações, pois me fazem sentir o mundo através do teu olhar. Obrigada.